Organização de Jovens Espíritas

Um mundo melhor OJE!

Reflexão

 

Espíritas! Amai-vos, este o primeiro ensinamento; instruí-vos, este o segundo. No Cristianismo se encontram todas as
verdades; são de origem humana os erros que nele se enraizaram.

(O Evangelho Segundo o Espiritismo)


Aqui você tem a oportunidade de ler e refletir sobre os ensinamentos contidos nas Obras Básicas e nos demais livros da literatura espírita, a fim de despertar o interesse pelo estudo do Espiritismo e obter inspiração para o processo de reforma íntima.
Mantenha o pensamento em boas vibrações e busque aplicar os conhecimentos em seu cotidiano.
Além disso, participe de cursos e estudos em sua Casa Espírita, que é o local para a educação da alma.

 

Obra: Os Mensageiros
Capítulo 51 - Nas despedidas
 
 Referência:
Bibliografia: LUIZ, André (espírito). In: ________. Os Mensageiros. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira.
 

Após outras atividades espirituais em que a comitiva de “Nosso Lar” esteve colaborando, findou a semana em que Aniceto permitiu o acompanhamento de André Luiz e Vicente, com fins de aprendizado.
As várias tarefas realizadas trouxeram-lhes valorosos conhecimentos novos. Estiveram acolhidos no lar de Isabel e lá ajudaram a atender inúmeros irmãos em perturbação e sofrimento. Em todas as atividades, eram notáveis a capacidade de improvisação e o otimismo de Aniceto. Com os aprendizados referentes à eletricidade e ao magnetismo, André Luiz se envolveu em profundas reflexões e reformou seus conhecimentos sobre a Medicina. Entendia, agora com novo olhar, a “[...] conceituação científica na arte de curar os corpos enfermos.”
Além disso, André Luiz compreendeu com mais profundidade a figura grandiosa de Jesus, o Médico de Almas por excelência. Sentia a fé como uma fonte viva de água que jorrava espontaneamente de sua alma. Esse novo sentimento vinha aliado aos conceitos de serviço e aprendizado. Estava, agora, diante de um tesouro eterno, intransferível e indestrutível, pois nascia e se consolidava no seu próprio ser. Na descoberta de si mesmo, André Luiz percebeu que encontrara o Mestre Nazareno.
Na última reunião em que a comitiva de “Nosso Lar” participava na casa de Isabel e de Isidoro, após o serviço de orações, grande número de amigos espirituais se reuniu ao redor de Aniceto, para aproveitar as últimas conversas, já em tom de despedida. O orientador não fazia distinção, oferecendo a todos as palavras de bom ânimo, otimismo e confiança.
Vicente e André Luiz, emocionados pelas despedidas próximas, quiseram agradecer a Aniceto pela semana de aprendizados, mas o instrutor adivinhando-lhes o intuito, apenas pediu que agradecessem a Jesus pelo muito que lhes foi oferecido. Nesse ínterim, pegou a Bíblia e exemplificou o amor às coisas santas, lendo em voz alta no capítulo segundo dos Provérbios de Salomão:
“Filho meu, se aceitares as minhas palavras e guardares contigo os meus mandamentos, para fazeres atento à sabedoria o teu ouvido e para inclinares o teu coração ao entendimento; e se clamares por entendimento, e por inteligência alçares a tua voz, se como a prata a buscares e como a tesouros ocultos a procurares, então entenderás o temor do Senhor, e acharás o conhecimento de Deus.”
Após deixar o livro sagrado sobre a mesa, Aniceto considerou que todos devem lembrar-se sempre dos compromissos de trabalho e de testemunho. O trecho lido representava o esforço nobre de todos aqueles que desejam compreender e adquirir a Sabedoria Divina.
Na hora de partir, Aniceto disse a André e Vicente que retornariam pelo caminho comum. Mas, antes, esperariam por Isabel para agradecer à generosa matrona pela hospitalidade e pela oportunidade do trabalho.
Momentos depois, Isabel, abandonando o corpo em sono físico, veio em companhia de Isidoro, atendendo ao chamado mental de Aniceto. Após os agradecimentos, e as lágrimas de emoção e reconhecimento de ambos os lados, Isabel pediu a Aniceto que retornasse sempre que possível, pois sua presença amiga inspirava-lhe paciência e coragem. Ela rogava para que ele não permitisse que ela falhasse nos deveres de mãe e de serva do Senhor. Eram necessárias paciência e perseverança para que ela não permitisse que as saudades da família espiritual lhe fizessem abandonar as obrigações da carne. Aniceto ofereceu, então, a Isabel palavras de conforto, fé e esperança, lembrando a ela que muitos possuem a tarefa, mas Cristo exemplificou a tarefa e o sacrifício.
Nesse clima de harmonia e serenidade, Aniceto convidou a todos a auxiliarem-no em uma oração. Na prece, ele pediu para que o Mestre ensinasse a cada um a receber as bênçãos do serviço, pois ainda não compreendemos a dimensão da tarefa que nos é confiada. Para isso, são necessários consagração aos deveres e desapego aos resultados, que pertencem ao Pai de todos nós. Ele ainda pediu para que nos livrássemos da vaidade e das demais paixões.
Finalizou a súplica de elevação com as seguintes palavras:
“Senhor Amorável, ajuda-nos a ser teus leais servidores,
Mestre Amoroso, concede-nos, ainda, as tuas lições,
Juiz Reto, conduze-nos aos caminhos direitos,
Médico Sublime, restaura-nos a saúde,
Pastor Compassivo, guia-nos à frente das águas vivas,
Engenheiro Sábio, dá-nos teu roteiro,
Administrador Generoso, inspira-nos a tarefa,
Semeador do Bem, ensina-nos a cultivar o campo de nossas almas,
Carpinteiro Divino, auxilia-nos a construir nossa casa eterna,
Oleiro Cuidadoso, corrige-nos o vaso do coração,
Amigo Desvelado, sê indulgente, ainda, para com as nossas fraquezas,
Príncipe da Paz, compadece-te de nosso espírito frágil, abre nossos olhos e mostra-nos a estrada de teu Reino!”
Aniceto calou-se, comovido, e André Luiz, em júbilo, incorporou-se à caravana que seguia de regresso a “Nosso Lar”.

 

O Livro dos Espíritos: Origem e Natureza dos Espíritos
Obra: O Livro dos Espíritos
Referência: Livro Segundo - Mundo Espírita ou dos Espíritos, Capítulo 1 - Dos Espíritos, Item I -Diferentes Ordens de Espíritos (resumo).
Bibliografia: KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Federação Espírita Brasileira, 2004. Disponível em: <http://www.febnet.org.br/ba/file/Obras%20B%C3%A1sicas/le.pdf>;. Acesso em: 25 set. 2011.
 
   

     Os Espíritos são de diferentes ordens, conforme o grau de perfeição que tenham alcançado.

     As ordens ou graus de perfeição dos Espíritos são ilimitadas em número, porque entre elas não há linhas de demarcação traçadas como barreiras, de sorte que as divisões podem ser multiplicadas ou restringidas livremente. Todavia, considerando-se os caracteres gerais dos Espíritos, elas podem reduzir-se a três principais.

     Na primeira, colocar-se-ão os que atingiram a perfeição máxima: os puros Espíritos. Formam a segunda os que chegaram ao meio da escala: o desejo do bem é o que neles predomina. Pertencerão à terceira os que ainda se acham na parte inferior da escala: os Espíritos imperfeitos. A ignorância, o desejo do mal e todas as paixões más que lhes retardam o progresso, eis o que os caracteriza. 

    Cada Espírito tem o poder de praticar o bem, de acordo com o grau de perfeição a que chegou. Com relação aos Espíritos de segunda ordem, para os quais o bem constitui a preocupação dominante, uns possuem a ciência, outros a sabedoria e a bondade. Todos, porém, ainda têm que sofrer provas. 

      Os da terceira categoria não são todos essencialmente maus; uns há que não fazem nem o mal nem o bem; outros, ao contrário, se comprazem no mal e ficam satisfeitos quando se lhes depara ocasião de praticá-lo. Há também os levianos ou estouvados, mais perturbadores do que malignos, que se comprazem antes na malícia do que na malvadez e cujo prazer consiste em mistificar e causar pequenas contrariedades, de que se riem. 


Leia mais nas perguntas 96 a 99 e não deixe de participar de estudos em sua Casa Espírita. 
 
Conduta Espírita: Do dirigente de reuniões doutrinárias
Obra: Conduta Espírita
Referência: Capítulo III, Do dirigente de reuniões doutrinárias
Bibliografia: LUIZ, André (espírito). Da mulher. In: ________. Conduta espírita. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 1996. cap. 3. p. 23-26.

 
"Ser atencioso, sereno e compreensivo no trato com os enfermos encarnados e desencarnados, aliando humildade e energia, tanto quanto respeito e disciplina na consecução das próprias tarefas.
Somente a forja do bom exemplo plasma a autoridade moral. 
 
Observar rigorosamente o horário das sessões, com atenção e assiduidade, fugindo de realizar sessões mediúnicas inopinadamente, por simples curiosidade ou ainda para atender a solicitação sem objetivo justo.
Ordem mantida, rendimento avançado. 
 
Em favor de si mesmo e dos corações que se lhe associam à experiência, não se deixar conduzir por excessiva credulidade no trabalho direcional, nem alimentar, igualmente, qualquer prevenção contra pessoas ou assuntos.
Quem se demora na margem, sofre atraso em caminho. 
 
Interdizer a participação de portadores de mediunidade em desequilíbrio nas tarefas sistematizadas de assistência mediúnica, ajudando-os discretamente no reajuste.
Um doente-médium não pode ser um médium-sadio. 
 
Colaborar para que se não criem situações constrangedoras para qualquer assistente, seja ele médium, enfermo ou acompanhante, procurando a paz de todos em todas as circunstâncias.
O proveito de uma sessão é fruto da paz naqueles que a integram. 
 
Impedir, sem alarde, a presença de pessoas alcoolizadas ou excessivamente agitadas nas assembléias doutrinárias, excetuando-se nas tarefas programadas para tais casos.
A caridade não dispensa a prudência. 
 
Esclarecer com bondade quantos se apresentem sob exaltação religiosa ou com excessivo zelo pela própria Doutrina Espírita, à feição de fronteiriços do fanatismo.outro encargo.
Em qualquer atividade, a disciplina sedimenta o êxito. 
O conselho fraterno existe como necessidade mútua. 
 
Desaprovar o emprego de rituais, imagens ou símbolos de qualquer natureza nas sessões, assegurando a pureza e a simplicidade da prática do Espiritismo.
Mais vale um sentimento puro que centenas de manifestações exteriores. 
 
Rejeitar sempre a condição simultânea de dirigente e médium psicofônico, por não poder, desse modo, atender condignamente nem a um e nem a
Fugir de julgar-se superior somente por estar na cabina de comando.
Não é a posição que exalta o trabalhador, mas sim o comportamento moral com que e conduz dentro dela.
 
 'Como, pois, recebestes o Senhor Jesus-Cristo, assim também andai nele' - Paulo. (Colossenses, 2:7)".

 
Atenção: É importante que o usuário do Portal tenha a consciência de que este espaço tem o único objetivo de despertar a reflexão sobre os conhecimentos da Doutrina Espírita.
O estudo doutrinário deve ser obtido nas Casas Espíritas, que são os locais aptos e adequados para proporcionar o aprendizado do Espiritismo.
 
Quer participar de cursos e estudos da Doutrina Espírita, mas não sabe como onde estudar em sua cidade? Entre em contato conosco, através do e-mail contato.oje@hotmail.com, que lhe auxiliaremos.

Comentar

Você precisa ser um membro de Organização de Jovens Espíritas para adicionar comentários!

Entrar em Organização de Jovens Espíritas

Comentário de Solineide Maria em 6 abril 2013 às 11:43

perfeito amigos!

Comentário de Orádia Dias em 19 novembro 2012 às 9:41

Só tenho que agradecer à Deus!!! Apesar de as vezes não professar seu nome como deveria, Ele está comigo sempre...não há nada que eu faça que não me reporte ao seguinte pensamento: Isso agradaria aos olhos de Deus??

Comentário de Flaviane Freire em 8 outubro 2012 às 15:17

Agradeço, Senhor, os verdadeiros amigos, mesmo imperfeitos e limitados!
Muitas vezes decepciono-me, esquecida de que sou eu quem erra quando espero deles uma perfeição e um perfeito amor o qual somente Vós possui e mesmo aqueles que Vos amam verdadeiramente, são falhos, porque são humanos. Agradeço, Senhor, pela sua compaixão, pela sua graça, pela sua bondade, que estão sempre presentes, sustentando-me nos momentos mais difíceis.
Agradeço, Senhor, pela pessoa que sou. 

Comentário de Henrique Eduardo de Oliveira em 5 setembro 2012 às 17:48

O espírita, assim como todo cristão, deve estar atento a três momentos ou fases distintas na sua vida, quando se trata do Evangelho. Primeiro: sentir o desejo de ir até o Evangelho, conhecê-lo, procurar pessoas afins, com os mesmos propósitos. Segundo: deixar que o Evangelho possa entrar em si mesmo através do aprendizado, do estudo doutrinário e do contato com todos aqueles que comungam a Seara Espírita. Terceiro: Deixar que o Evangelho possa sair de dentro de si através de seus exemplos, da sua renúncia com as fraquezas do passado, do reconhecimento do próximo como seu verdadeiro irmão. Qualquer atitude tomada no sentido de burlar uma dessas etapas de nossa vida, poderá colocar em xeque o nosso próprio aprimoramento moral, como também, daqueles que confiaram em nós e seguiram nossos passos. ide pelo mundo e pregai o Evangelho a todas as criaturas... no entanto, cuida-te de ti mesmo, vigiai e orai, e principalmente, se aprofunde no Evangelho através do estudo doutrinário, de boas amizades, boas atitudes!!! muita paz!!!

Comentário de Solineide Maria em 21 agosto 2012 às 10:13

Li novamente!

Comentário de Solineide Maria em 29 julho 2012 às 10:49

Supimpa! "Mais vale um sentimento puro que centenas de manifestações exteriores. "

A OJE foi criada com o ideal da união de jovens espíritas, sua sede é em Uberlândia-MG onde trabalhamos para união de mocidades da cidade.

Badge

Carregando...

Notas

Confira os destaques do Movimento Espírita na Europa

Criado por Redação OJE 25 Jul 2010 at 19:11. Atualizado pela última vez por Redação OJE 25 Jul, 2010.

Filme "Nosso Lar" leva às telas o famoso livro de Chico Xavier

Criado por Redação OJE 25 Jul 2010 at 18:44. Atualizado pela última vez por Redação OJE 25 Jul, 2010.

© 2017   Criado por OJE.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço